ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Tribunal de Justiça do Paraná mantém condenação de ex-diretor da Assembleia Legislativa do Estado

Abib Miguel (Bibinho), terá que cumprir 251 anos de prisão e devolver R$ 1,5 bilhão aos cofres públicos. Ex-diretor da Alep causou um desvio de R$ 216 milhões em recursos públicos entre os anos de 1997 e 2010.

23/02/2021

O ex-diretor da Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (Alep), Abib Miguel, o “Bibinho”, teve sua pena de 251 anos, 6 meses e 21 dias de reclusão pelos crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro mantida pelo TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná).

A 2ª Câmara Criminal do TJPR julgou a apelação de Bibinho no dia 18 de fevereiro e manteve a condenação ao réu, que ainda terá que devolver aos cofres públicos cerca de R$ 1,5 milhão.

Bibinho atualmente cumpre prisão domiciliar em Curitiba e foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná em 2015, no âmbito da Operação Argonautas, executada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), após as denúncias apresentadas na série de reportagens “Diários Secretos”, produzidas pela Gazeta do Povo e RPC TV.

As investigações apontaram que o ex-diretor da Alep era responsável por um esquema de contratação de funcionários “fantasmas”, causando desvio de R$ 216 milhões em recursos públicos entre os anos de 1997 e 2010.

O dinheiro desviado foi utilizado por Bibinho para comprar ao menos 60 imóveis. Os investimentos frutos do desvio de recursos públicos foram localizados no Paraná, Goiás, Tocantins, Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Santa Catarina e São Paulo.

Por essa lavagem de dinheiro, também foram condenados outros sete denunciados – entre eles parentes de Bibinho como o irmão, a esposa e três filhos do ex-diretor da Alep.

Todos os imóveis citados no processo serão arrendados para reparação dos danos aos cofres públicos, sendo que os réus ainda terão que desembolsar em multas R$ 216.842.372,53.

Foto: Reprodução RPC

 

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar