ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

GUARAPUAVA: Apenas três vereadores aderiram à CPI da empresa de transportes Pérola do Oeste

Beatriz Aparecida Neves (Bia Neves) MDB, Terezinha dos Santos Daiprai (Professora Terezinha), PT e Cristiane Aparecida Wainer (Cris Wainer), PT, foram as únicas vereadoras que assinaram pela abertura das investigações.

13/05/2021

 

Clique no player para ouvir:

Na manhã de ontem, 12 de maio, a vereadora de Guarapuava, Beatriz Aparecida Neves (Bia Neves) MDB, concedeu uma entrevista ao programa O Assunto é Notícia, da Rádio Cultura. Na ocasião, a legisladora falou sobre as dificuldades em conseguir assinaturas dos outros colegas para instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os subsídios recebidos pela empresa de transporte coletivo Pérola do Oeste.

Desde março do ano passado, com o início da pandemia de Coronavírus, a empresa alega que vem acumulando prejuízos.

Em novembro de 2020, a Pérola do Oeste solicitou à prefeitura o reequilíbrio de seu contrato junto ao município. Além de subsídio, a empresa pedia para que a passagem que atualmente é de R$ 3,40, passasse a custar R$ 4,00.

O reajuste da tarifa não tem relação nenhuma com a pandemia de Coronavírus, segundo a direção da empresa, que também alega o descumprimento do contrato por parte da prefeitura de Guarapuava. “Em Guarapuava, esta situação já foi comunicada ao executivo municipal desde o início da epidemia, mas até agora não recebeu nenhum tipo de aporte, o que vem favorecendo o colapso cada vez mais iminente do sistema”, destacou a empresa em nota, no início de abril.

Para continuar operando, a direção da companhia de transporte sublinha que necessita de um subsídio do município de pouco mais de quatro milhões de reais. O montante, ainda conforme a Pérola do Oeste, seria para cobrir o déficit gerado pela redução de passageiros por causa das restrições impostas pela COVID-19.

Este assunto causou controvérsias e gerou muitas dúvidas, segundo a vereadora Bia. Por isso, de acordo com a legisladora municipal, criar uma CPI é o melhor caminho para entender sobre a situação da empresa e suas tomadas de decisões.

“A gente fala na palavra CPI, as pessoas muitas vezes se assustam, acham que é uma coisa que venha a prejudicar, abrir uma guerra, mas é só uma averiguação do porquê que a Pérola do Oeste vem pedindo para o município um valor – eu acho bem elevado – mensal, para que o transporte continue atuando”, disse Bia em entrevista a um programa de rádio.

Conforme contou a vereadora à Rádio Cultura, passados mais de quinze dias desde a proposição da CPI, apenas três pessoas assinaram concordando com os trabalhos, ela própria e as vereadoras Terezinha dos Santos Daiprai (Professora Terezinha), PT e Cristiane Aparecida Wainer (Cris Wainer), PT. “Até agora, já faz mais de quinze dias que nós viemos com essa ideia da CPI. Até agora, eu consegui a minha assinatura e a de mais duas professoras (que são vereadores), a Cris Wainer e a professora Terezinha. Estou com três assinaturas e, com essas três, não vai abrir a CPI”, contou Bia.

A vereadora destacou também, que quando procurados, os outros colegas disseram que não há necessidade de uma CPI neste momento, principalmente por se tratar de um período de pandemia. “Eles (os vereadores) falam que não há necessidade, que está tudo certo, que essa não é uma coisa para se fazer neste momento”, destacou.

A entrevista completa com a vereador, você ouve clicando no player:

Foto: Pérola do Oeste/divulgação

Galeria de Fotos

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar