ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Anvisa cobra da União Química documentação da vacina Sputnik V

Sem o registro para uso emergencial ou definitivo, a Sputnik V não pode ser utilizada no Brasil.

19/03/2021

A Sputnik V, vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Rússia, será produzida no Brasil, mas ainda não tem o registro de uso emergencial no País.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) cobrou o laboratório União Química para que entregue os dados sobre a vacina russa contra covid-19 Sputnik V. A farmacêutica tem os direitos de produção do imunizante no Brasil. O prazo para a entrega, que é de 120 dias, termina em 16 de maio para que a agência possa fazer a análise para o registro de uso emergencial.

Em comunicado (íntegra – 120 KB) divulgado nesta 6ª feira (19.mar.2021), a Anvisa informa que o pedido para uso da Sputnik V foi protocolado pela União Química em 15 de janeiro. No dia seguinte, a agência reguladora informou ao laboratório a lista de documentos que precisava para a análise. Em 18 de março, pediu informações complementares. Mas, até o momento, a documentação não foi enviada.

Sem o registro para uso emergencial ou definitivo, a Sputnik V não pode ser utilizada no Brasil.

O Ministério da Saúde assinou, na 6ª feira passada (12.mar.2021), um contrato para a compra de 10 milhões de doses do imunizante russo. A 1ª remessa, de 400 mil doses, é esperada até o final de abril. Mas o pagamento, segundo o governo, só será efetuado depois da União Química conseguir o aval da Anvisa.

Além do contrato com o governo federal, o consórcio de governadores do Nordeste também tem um acordo para adquirir mais 37 milhões de doses da vacina Sputnik V. As doses serão entregues ao PNI (Plano Nacional de Imunização) para que possam ser aplicadas em todo o país.

Na nota, a Anvisa afirmou que “as vacinas são uma das intervenções de saúde pública mais significativas já implementadas”. A agência reconhece ainda que a vacinação é essencial para o combate à pandemia de covid-19, mas precisa verificar a eficácia e segurança antes de liberar o uso de qualquer medicamento ou vacina.

“A Anvisa está empenhada em tomar decisões que sejam guiadas pela ciência e pelos dados relativos à autorização das vacinas contra covid-19. Neste caminho, atuamos para estimular o desenvolvimento dos dados necessários para demonstrar a segurança e eficácia das vacinas“, diz a nota.

A Anvisa já autorizou o uso emergencial da CoronaVac em todo o Brasil. Além disso, concedeu o registro oficial para as vacinas da Pfizer e da AstraZeneca. Também aprovou o uso do remdesivir para o tratamento hospitalar de pessoas infectadas pelo coronavírus em todo o Brasil.

Poder 360

Foto: © Divulgação/Sputinik V

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar