ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Estudantes pretendem entrar com ação judicial e realizar manifestações contra mudanças no Educard

Alterações ocorreram na última sessão ordinária do Legislativo municipal e aumentaram restrições para uso do benefício.

21/12/2019

Ouça no player. Reportegem Cléber Moletta.

Depois da aprovação das mudanças nas regras de uso do Educard estudantes começaram a se organizar e pretendem entrar com uma ação judicial e promover manifestações contra a medida. A alteração foi votada na última sessão ordinária realizada pelos vereadores em 2019, já no período de recesso escolar.

“É difícil que as coisas mudem apenas pela via jurídica e legislativa, mas esse vai ser nosso primeiro momento de ação, vamos tentar uma revogação dessa alteração pelas vias jurídicas, mas provavelmente só vai conseguir mesmo com uma mobilização massiva de todos aqueles que se sentiram atingidos por essa mudança, por isso nós e grêmios estudantis estamos organizando ações para o ano que vem”, Bruno Henrique de Assunção, diretor de imprensa do DCE da Unicentro.

Ele considera que o transporte é um direito e deve ser garantido pelo estado. “Não só para acesso a educação, mas para outros aspectos como cultura, lazer, acesso a cidade. O que temos visto é que não somente essa lei, mas outras que foram aprovadas, elas constituem uma política de higienização da cidade”, disse o dirigente estudantil.

O que mudou?

Agora somente os alunos de período integral têm direito a quatro passagens diárias pelo valor de R$ 1. Quem estuda meio período terá direito a duas passagens por dia de aula. Antes todos os estudantes podiam usar quatro passagens de transporte coletivo ao dia com o Educard.

Corrigir 'desvirtuamentos'

Segundo o prefeito de Guarapuava foram feitos ajustes para evitar “desvirtuamentos” do Educard. “São ajustes para melhorar o uso e diminuir alguns desvirtuamentos que estavam acontecendo, não vou dizer fraude porque essa palavra é muito pesada”, disse Cesar Silvestri Filho (Podemos).

Segundo ele algumas empresas não pagavam o vale transporte para estudantes que usavam o benefício do Educard para ir ao trabalho. Ele disse ainda que as mudanças ajudam a manter a sustentabilidade do programa estava “ficando muito pesado” e que se o programa for ‘desvirtuado’ pode impactar em todo o sistema, reduzindo o índice de passageiro equivalente do transporte.

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar