ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Como Ed Sheeran bateu U2 e virou dono da turnê mais lucrativa de todos os tempos

28/08/2019

Sozinho no palco, Ed Sheeran passou por estádios brasileiros em 2017 e 2019. Cantor inglês lucrou mais de R$ 3,2 bilhões com performance que mostra o melhor do pop de playlist.

Edward Christopher Sheeran pode ser considerado o primeiro artista a ser impulsionado pela força dos serviços de streaming. Foi lá, principalmente com baladas tocadas no violão, que ele começou a formar seu público.

Na primeira vez no Brasil, em abril de 2015, tocou em casas médias, com públicos de no máximo 8 mil pessoas. Em 2017, passou por estádios como o do Palmeiras e o Mineirão. Neste ano, esgotou rapidamente a primeira noite em São Paulo: fez dois shows por lá.

É fácil explicar todo esse fascínio de brasileirinhos e brasileirinhas, na maioria entre 5 e 20 anos. O sucesso de Sheeran está na capacidade de misturar um pouco de cada estilo: pop dançante, rock acústico, rap, baladas quase bregas...

É até natural que ele seja o maior artista solo desta era na qual artistas e sonoridades se misturam por meio de featurings e do botão de ordem aleatória do Spotify.

O novo álbum "No.6 Collaborations Project", lançado em julho, tem 22 convidados, de Eminem a Bruno Mars. Mas o destaque é o anfitrião. Ele também se multiplica como nos shows.

Ele tem este talento de fazer um pop de playlist. As 15 novas músicas parecem feitas para ter uma vaga no maior número de listas possíveis no YouTube, Spotify ou Deezer.

Edinho está cada vez mais sem rótulos, mas consegue soar autêntico. O que é raridade. Mas rotulá-lo assim não é um consenso.

Há quem veja em Ed uma espécie de Phil Collins, disposto a concessões, melosidades, parcerias e diluições para falar com o maior número de gente possível.

A autenticidade do cantor de 28 anos tem a ver com o fato de ele sempre fazer shows sozinho. Ele transforma músicas tão diferentes (e, para alguns, genéricas) em performances voz, violão e efeitos.

Ele tem um equipamento que grava e reproduz os sons que faz. Daí, vai fazendo diferentes batidas, coros, riffs e dedilhados. Assim, sobrepõe barulhos e camadas. E bate recordes.

(Fonte: G1)

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar