ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Diocese de Guarapuava marca presença na 22ª Romaria das Comunidades Negras

Dom Antônio Wagner da Silva, bispo diocesano, presidiu uma missa na basílica. Durante a homilia, ele ressaltou que os negros no Brasil representam mais da metade da população.

05/11/2018

No último dia 03 de novembro, o Santuário Nacional de Aparecida, em São Paulo, recebeu a 22ª edição da Romaria das Comunidades Negras. Milhares de pessoas de todo o Brasil estiveram no evento que a cada ano, segundo os organizadores, tem seu público aumentado.

Da diocese de Guarapuava, 33 pessoas viajaram para participar do encontro incluindo o bispo local, Dom Antônio Wagner da Silva.

Conforme os participantes, o momento foi propenso para troca de ideias e entendimento sobre a caminhada da Pastoral Afro-Brasileira em todo o país, bem como os planos para o próximo ano.

A programação da Romaria seguiu durante todo o dia. Dom Wagner presidiu a missa das 10h30 na basílica. Durante a homilia, o bispo de Guarapuava lembrou que, atualmente, são mais de 30 bispos afrodescendentes no Brasil e milhares de sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas e que estes são a força da caminhada das comunidades negras.

Durante a celebração, as várias comunidades de todo o Brasil apresentaram coreografias e cânticos, mostrando, reforçando as características de alegria e descontração do povo negro. “Ao fazer essa romaria, não podemos deixar de mencionar que os negros representam mais da metade da população. Devemos entender e olhar que as comunidades negras aqui presentes estão representando esta nação e, quando se fala em superar o racismo e a violência, nós podemos ter a certeza de que esta superação se dá quando agimos com consciência. Assim, haveremos de superar essa realidade que assusta, mas que não deve permanecer para sempre”, explicou Dom Wagner.

O Bispo também lembrou os 50 anos de Puebla e os 30 anos da Campanha da Fraternidade que tratou dos povos negros. “Tudo fica um pouco esquecido se não nos empenharmos em buscar que princípios e forças estejam vivos e se manifestem em nossas comunidades e dioceses. Se queremos superar o racismo, temos hoje a lembrança de um santo: São Martinho de Lima, que era um santo negro que tinha tudo para não ser ninguém e se tornou o exemplo com a força, tanto dentro da Igreja como na sociedade”, reforçou Dom Wagner.

Ao final da celebração, o bispo clamou à Mãe Aparecida por preservar os dons dos povos negros.

 

Jorge Teles com Diopuava

Galeria de Fotos

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar