ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Campanha faz convite à Igreja e à sociedade a "Amazonizarem-se"

No lançamento da campanha, o arcebispo de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispo do Brasil, dom Walmor Oliveira de Azevedo, falou que a Amazônia é muito importante por seus povos, sua historia, pela fé cristã que nela foi plantada.

28/07/2020

Com a atual crise socioambiental pela qual passa a região Amazônica, que articula um conjunto de práticas predatórias baseadas na ideia de que os recursos são inesgotáveis e de que o mato não tem valor, os cientistas estão apontando o que eles chamam de uma situação de “não retorno” com um desmatamento que avança para quase 25% da floresta. A partir daí por haver um processo de savanização e empobrecimento da biodiversidade que jamais poderá ser recuperado.

Esta afirmação foi feita pela ecóloga Ima Vieira, pesquisadora do Museu Paraense Emílio Goeldi e assessora da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam-Brasil), no lançamento da campanha “Amazoniza-te”, organizada pela Comissão Episcopal para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em parceria com outras organizações eclesiais e da sociedade civil, na tarde da segunda-feira, 27 de julho.

Segundo a irmã Maria Irene Lopes, secretária executiva da Repam-Brasil, ao explicar a campanha e seus objetivos,  a iniciativa surge atenta ao contexto onde as violências contra os povos tradicionais são agravadas pela pandemia da Covid-19. “Enfrenta-se uma conjuntura onde o desmatamento e a grilagem, as queimadas, a mineração e garimpo se intensificam, tornando-se agentes de proliferação do coronavírus nas comunidades da região amazônica”, disse.

A ação faz parte da mobilizações pós Sínodo para a Amazônia realizado no Vaticano, em outubro de 2019. Segundo irmã Irene, a campanha vai envolver os diferentes organismos eclesiais, artistas, formadores de opinião, pesquisadores e cientistas internacionais e do Brasil nas ações.

Orientados pela escuta dos clamores e esperanças, a campanha é culminância das diferentes ações e mob ilizações realizadas pelas organizações eclesiais e sociais que atuam na Amazônia ou na defesa dela, como o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), Mídia Ninja e Movimento Humanos Direitos (MHuD).

No lançamento da campanha, o arcebispo de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispo do Brasil, dom Walmor Oliveira de Azevedo, falou que a Amazônia é muito importante por seus povos, sua historia, pela fé cristã que nela foi plantada. O presidente da CNBB disse que a campanha convida a todos a colocar na cabeça e no coração um novo verbo: “Amazonizar”.

A campanha, segundo dom Walmor, tem um apelo para considerarmos a alteridade. “O sentido de alteridade me permite que em não sendo da Amazônia e não estando na Amazônia eu possa Amazonizar-me”, disse. Uma comunidade e uma sociedade, segundo dom Walmor, só se constroem na medida em que são considerados a participação de cada um e de todos.

Amazonizar-se, segundo o dom Walmor, é um convite ao diálogo e a não passar por cima da comunhão. “‘Amazoniza-te’ se torna uma escola para nós aprendermos a respeitar os povos e as culturas diferentes, a preservar o meio ambiente. Que todo mundo entre e matricule-se nesta escola como um caminho de aprendizagem da humildade e de compromisso com os que precisam mais”, disse.

Também participaram do lançamento da campanha o bispo emérito do Xingu e vice-presidente da Repam-Brasil, dom Erwin Krautler, a deputada federal Joenia Wapichana, a atriz Dira Paes, representando o Movimento Humanos Direitos, o padre Dário Boss, assessor da Repam-Brasil, e a assessora de Comunicação da CNBB, Manuela Castro.

A deputada federal chamou a atenção para os vetos que sofreram o projeto lei nº 1142. O projeto prevê que o Estado brasileiro realize um conjunto de ações para enfrentar o avanço do novo coronavírus entre os povos indígenas. Segundo ela, o presidente da República vetou 21 artigos e 22 itens. O mais triste, na sua avaliação, foi o veto ao direito de os povos indígenas terem acesso à água potável. No contexto de destruição do bioma, a atriz Dira Paes disse que “Amazonizar é um verbo e verbo é ação. “Mobilizar é necessário, mas é preciso mobilizar todos nós para agir em prol deste sentimento de cuidar da Amazônia”, disse.

CNBB

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar