ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Antônio Cardoso canta o Sínodo Pan-Amazônico

24/05/2019

O cantor, compositor e evangelizador, Antônio Cardoso canta para a Laudato si e para o Sínodo Pan-Amazônico.

De acordo com o anúncio do Papa Francisco, no dia 15 de outubro de 2017, a Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos irá refletir sobre o tema: Novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral e se realizará em outubro de 2019. Esses novos caminhos de evangelização devem ser elaborados para e com o povo de Deus que habita nessa região: habitantes de comunidades e zonas rurais, de cidades e grandes metrópoles, ribeirinhos, migrantes e deslocados e, especialmente, para e com os povos indígenas.

Na selva amazônica,  - destaca o Documento Preparatório -, que é de vital importância para o planeta Terra, desencadeou-se uma profunda crise, devido uma prolongada intervenção humana na qual predomina a «cultura do descarte» (LS 16) e a mentalidade extrativista. A Amazônia, uma região com rica biodiversidade, é multiétnica, pluricultural e plurirreligiosa, um espelho de toda a humanidade que, em defesa da vida, exige mudanças estruturais e pessoais de todos os seres humanos, dos Estados e da Igreja.

As reflexões do Sínodo Especial superam o âmbito estritamente eclesial amazônico, por serem relevantes para a Igreja universal e para o futuro de todo o planeta.

Também para a Igreja universal é de vital importância escutar os povos indígenas e todas as comunidades que vivem na Amazônia, como os primeiros interlocutores deste Sínodo.

O cantor, compositor e evangelizador, Antônio Cardoso compôs uma música dedicada a Laudato si e ao Sínodo Pan-amazônio. Título da música Pan-Amazônia ancestral.

Eis o texto integral da música Pan-Amazônia ancestral:

Na vazante do Rio

Todos se põem ao plantio

Pois, quando as águas subirem

Eis o maior desafio que é viver.

 

A colheita há de ser

Antes das águas revoltas

Pois, quando a vazante inundar

Sei onde vou aportar o meu barco.

 

Ribeirinhos guardiões

Da nossa casa comum

“Laudato si”

É Francisco chamando um a um.

 

10 mil anos de história

Pan-Amazônia ancestral

Pão de uma eucaristia

Cosmo da “Ecologia integral”.

 

Nem uma folha se cai

Sem a vontade do PAI

Pois na vazante da vida

CRISTO é semente de LUTA e de PAZ.

 

Ribeirinhos guardiões

Da nossa casa comum

“Laudato si”

É Francisco chamando um a um.

 

Igreja samaritana

Contra-cultura da grana

Tantas feridas abertas

No seio da floresta e a ganância.

 

Irmão sol, irmão lua

Irmão de todos os povos

É deus Tupã que reclama

Deus que nunca abandona a sua OBRA.

(Fonte: Vatican News)

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar