ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Nova Rouanet prioriza museus e diminui dinheiro para musicais

10/04/2019

Embora tenha anunciado a redução do teto da Lei Rouanet para R$ 1 milhão — atualmente cada proponente pode captar até R$ 60 milhões anuais —, o governo de Jair Bolsonaro abrirá exceções.

Entre elas, poderão ultrapassar o teto ao menos os programas anuais de museus e orquestras, além de festivais e bienais.

O anúncio do teto de R$ 1 milhão foi feito por Bolsonaro na última segunda (8), em entrevista. "Tem gente do setor artístico que está revoltado. Eles querem algumas exceções. Eu acho que não tem que ter exceção nenhuma", disse o presidente.

O limite, porém, não valerá para alguns casos específicos. A nova instrução normativa da lei deve ser anunciada nesta quinta-feira (11).

Segundo produtores e empresários do setor cultural, o teto, da forma como anunciado pelo presidente, representaria o fim de programas importantes e tradicionais, como a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.

Pela forma como Bolsonaro se expressou, produtores entenderam que mesmo os projetos de notório interesse público seriam revogados.

Numericamente, o impacto da decisão de Bolsonaro não atinge a maioria dos 2.875 que captaram recursos pelo mecanismo de incentivo no ano passado. Destes, apenas 288 ultrapassaram o valor que o governo propõe como limite.

Neste novo cenário que se desenha, é praticamente certo que os principais prejudicados serão os musicais, que são caros e dependem das leis de incentivo. Eles não devem ser listados entre as exceções.

(Fonte: Gazeta do Povo)

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar