ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Paróquia Bom Jesus, em Guarapuava, sedia assembleia para fundação do Conselho de Leigos

O Ano Nacional do Laicato teve início em 26 de novembro de 2017 e vai até 25 de novembro de 2018. O tema que servirá como base para o período é: Cristãos leigos e leigas, sujeitos na Igreja em saída, a serviço do Reino.

05/07/2018

Nos dias 01 e 02 de setembro, a paróquia Bom Jesus, em Guarapuava, sedia uma assembleia para a criação do Conselho de Leigos em nível diocesano.

Com o tema: “Até que tudo fique fermentado” (Mt 13,33) os trabalhos terão início às 08h do dia 01 e as atividades se encerram ao meio dia de 02 de setembro, com um almoço.

Para o integrante da Comissão de Articulação do Conselho de Leigos, Tales Falleiros Lemos, a criação do Conselho de Leigos na diocese de Guarapuava é uma verdadeira missão. “Eu considero a criação do Conselho Diocesano de Leigo uma missão, um legado. Creio também, que o apoio do clero facilita as coisas. Mas nem todos querem um laicato autônomo e emancipado, pois isso implica em corresponsabilidade e comunhão. Falta um maior engajamento dos leigos como sujeitos na Igreja e na sociedade. De certo modo existe uma acomodação ao clericalismo que espera que todas as definições pastorais partam do clero e da hierarquia. Ainda prevalece uma visão de que o papel do leigo é auxiliar nos trabalhos do clero, ao invés de ser um papel de cooperação, planejando e monitorando a execução das ações e avaliando os resultados”, grifou Tales.

Dom Antônio Wagner da Silva, bispo da diocese de Guarapuava, destaca que a existência da comissão já é um grande passo para a existência permanente de um Conselho Diocesano de Leigos, mas salienta que como uma planta, esta missão precisa ser regada e cuidada todos os dias. “O despertar desse interesse pela criação de uma comissão de leigos já significa muito em nível de diocese, mas é preciso mais. Em cada um, há que existir a vontade de caminhar no mesmo sentido e de buscar sempre o melhor caminho para que as coisas aconteçam em nosso meio. Vivemos o Ano Nacional do Laicato e neste tempo tão propenso à reflexão, não podemos e não devemos perder a oportunidade de fazermos o melhor em favor desta bela missão. A Igreja é formada, em sua grande maioria, por leigos. Sem o trabalho de cada um, nada seria possível. Este serviço é como uma planta, precisa ser regado todos os dias para que cresça e dê frutos”, sublinhou Dom Wagner.

Para compor a Assembleia, são convidados membros do Conselho Nacional de Leigos do Brasil (CNLB) do Regional Sul 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que representam a diocese de Guarapuava. Desses, três delegados são indicados pela coordenação diocesana das Pastorais e Movimentos e outros dois, por representantes de cada paróquia participante dos trabalhos. Como convidado, cada decanato (a diocese de Guarapuava tem quatro decanatos - Centro, Pitanga, Laranjeiras do Sul e Pinhão) que participar da assembleia, poderá enviar até três jovens que comporão os grupos de estudo.

Como organismo da Igreja, o CNLB existe há mais de 40 anos. No Regional Sul 2 da CNBB, os trabalhos existem há cerca de oito anos, conforme detalhou Tales. “O CNLB existe há 40 anos. No Paraná, os trabalhos vêm sendo realizados há oito anos. Em muitas dioceses ainda não existe o Conselho de Leigos, mas há as comissões para a articulação do trabalho do laicato. No entanto, em dioceses como as de Ponta Grossa e Foz do Iguaçu, o Conselho de Leigos existe há mais de 20 anos e apresenta um grande trabalho em diversos âmbitos da Igreja e da sociedade. O Documento 105 da CNBB; traz um pouco desta organização e evolução histórica”, considera Tales.

 

ARTICULAÇÃO

Em 17 de fevereiro deste ano, 91 pessoas das paróquias do decanato centro da diocese de Guarapuava, participaram do Primeiro Encontro de Formação do Ano do Laicato.

O evento foi realizado na paróquia Sant’Ana, e teve como tema  “Sal da terra e Luz do mundo”.  (Mt 5,13-14).

A intenção dos trabalhos, segundo a coordenação do Laicato na diocese, foi multiplicar os conhecimentos e as informações acerca do assunto que busca nortear a importância do leigo na Igreja e na sociedade.

O coordenador da Ação Evangelizadora na diocese, padre Itamar Abreu Turco, disse na ocasião, que os encontros possibilitam trocas de experiências e o entendimento dos membros de cada paróquia ou comunidade acerca do assunto. “Este é um espaço para que o leigo e a leiga conheçam sua verdadeira função na comunidade. Todos nós, enquanto cristãos, temos uma missão e podemos levar esta tarefa adiante com amor, com envolvimento. A diocese de Guarapuava, com este encontro, mostrou que está preparada para enfrentar e vencer os desafios que possam surgir. A participação dos leigos é envolvente e transformadora em nosso meio. Cada um que veio aqui representa muitos e leva diversas experiências. Isto é uma troca. Todos precisam fazer esta experiência numa Igreja cada vez mais participativa. Os padres e os religiosos são a minoria. Cada leigo, cada leiga tem sua missão de servir à Igreja”, considerou padre Itamar à época.

Joceli Ramos Zeni, que atua na Pastoral da Criança e também faz parte da comissão para o Laicato na diocese de Guarapuava, grifou que o encontro na paróquia Sant’Ana superou as expectativas e isto, conforme endossa, é fator motivador para disseminar novas ideias em se tratando da importância do leigo na Igreja e na sociedade. “O encontro foi de suma importância para nossa diocese, principalmente para o decanato centro. Participaram mais de cem pessoas, contando com a equipe organizadora. Ao todo, 13 paróquias da diocese se fizeram presentes, sendo 11 paróquias do decanato centro, mais a paróquia Santa Clara, de Candói e Imaculada Conceição, de Palmital. As palestras, as dinâmicas e os estudos foram motivadores e nos apontaram caminhos claros por onde devemos seguir enquanto cristãos, enquanto Igreja que somos. A força está em cada um de nós e é preciso que o leigo saiba disso e enfrente os desafios”, argumentou Joceli na ocasião.

 

PAUTA

No encontro na paróquia Bom Jesus, em Guarapuava, os organizadores prepararam a seguinte pauta:

  • - Oração inicial e apresentação dos participantes;
  • - Leitura, votação e aprovação: Regimento e pauta da Assembleia;
  • - Apresentação da minuta de Estatuto do CNLB, Regional Sul 2, diocese de Guarapuava
  • - Formação – Estudo do Tema e Lema;
  • - Informes das atividades realizadas pela comissão na Celebração do Ano do Laicato;
  • - Apresentação de emendas;
  • - Discussão, votação e aprovação do Estatuto, eleição da presidência e das vice-presidências;
  • - Definição da data da Assembleia 2019;
  • - Comunicados.

 

DOCUMENTO 105

O Documento 105 da CNBB, que norteia os trabalhos do laicato na Igreja, foi aprovado no dia 14 de abril de 2016, durante a 54ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, em Aparecida, São Paulo.

No material de 151 páginas, estão contidas diversas diretrizes e entendimentos sobre o papel dos leigos para o crescimento da Igreja. “O Ano do Laicato, criado pelo documento 105, visa despertar os leigos para a sua identidade, vocação espiritualidade e missão, na Igreja e na sociedade. E sua celebração, propõe legados para o âmbito eclesial e da sociedade”, explica Tales.

Em âmbito eclesial, o Documento 105 propõe a criação do Conselho de Leigos nas dioceses onde este não existe.  Em se tratando de sociedade, o documento serve como estimulador de um “mecanismo de participação popular para o fortalecimento do controle social e da gestão participativa (Conselhos de Direitos, Grupos de Acompanhamento Legislativo-GAL, Iniciativas Populares, Audiências, Referendos, Plebiscitos, dentre outros) que tenham por objetivo mobilizar a sociedade brasileira para a realização da Auditoria Cidadã da dívida pública”.

O Ano Nacional do Laicato pretende ainda “Dinamizar o estudo e a prática do documento 105: ‘Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade’ e demais documentos do Magistério, em especial do Papa Francisco, sobre o Laicato; e estimular a presença e a atuação dos cristãos leigos e leigas, ‘verdadeiros sujeitos eclesiais’ (DAp, n. 497a), como ‘sal, luz e fermento’ na Igreja e na Sociedade”.

No final do primeiro parágrafo da página 114 do Documento (105), está escrito que: “[...] A comunidade eclesial, particularmente os bispos e os presbíteros, tem a missão de formar cristãos leigos e leigas missionários, conscientes, ativos, de forma que cada qual venha a contribuir com a educação dos demais, numa ação de aprendizagem mútua por todos os meios. [...]” .

 

DESAFIOS

Segundo o presidente do Regional Sul 2 da CNBB, o arcebispo de Cascavel, Dom Mauro Aparecido dos Santos, o Paraná é um Estado com municípios predominantemente agrícolas, com agronegócio forte, mas com muitos contrates e mazelas. Conforme o arcebispo, a população dessas regiões tem deixado o ambiente rural e seguido para grandes centros urbanos, como a grande São Paulo e a região metropolitana de Curitiba, que atualmente soma mais de 3,5 milhões de pessoas. Esse êxodo rural, com novas realidades urbanas e baixo grau de escolarização e profissionalização tem se apresentado como desafio evangelizador para a Igreja no Estado.

A imigração, conforme Dom Mauro, também é uma realidade que merece atenção. Milhares de haitianos chegaram ao Paraná nos últimos anos em busca de reconstrução de suas vidas. Neste contexto, o arcebispo reforça a importância do leigo na função de aproximar a Igreja de quem mais precisa. “Através do leigo, a Igreja vai ao encontro dessas pessoas que em muitos momentos, perderam até a esperança. O trabalho de cada leigo, de cada leiga forma uma base sólida de sustentação e de ajuda a quem mais precisa”, destaca Dom Mauro.

 

SOBRE O LAICATO

De 26 de novembro de 2017 a 25 de novembro de 2018, a Igreja no Brasil celebra o Ano Nacional do Laicato. O tema que servirá como base para o período é: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na Igreja em saída, a serviço do Reino”. O trabalho tem como inspiração o livro de Mateus, capítulo 5, versículos 13-14 que diz: “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5,13-14).

Mesmo não estando na pauta de discussões da 38ª edição da Assembleia do Povo de Deus, que em 2017 foi realizada pelas Províncias, nos dias 23 e 24 de setembro, o assunto foi explanado no último dia do encontro, na paróquia Santo Antônio de Orleans, na Capital paranaense, aos representantes das dioceses que fazem parte da Província de Curitiba.

Na ocasião, todos os bispos participantes do encontro concordaram em abrir espaço para que coordenadores do Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB) do Regional Sul 2 da CNBB, falassem do projeto que tem por objetivo principal, “celebrar a presença e a organização dos cristão leigos e leigas no Brasil” e assim, “aprofundar sua identidade, vocação, espiritualidade e missão”, para que em seguida, possam “testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”.

Durante a explanação dos trabalhos que serão desenvolvidos ao longo de um ano, mas que servirão de inspiração para sempre, conforme a proposta, o integrante do Conselho de Leigos do Regional Sul 2 da CNBB, Tales Falleiros Lemos, que faz parte da diocese de Guarapuava, disse que envolver a sociedade no projeto é aproximar cada vez mais a igreja de quem precisa, como pede sempre o Papa Francisco.

“O trabalho será o de envolver toda a Igreja do Paraná em favor deste projeto que além de evangelizador, é vital para o crescimento de cada um em se tratando de cristianismo e de sociedade. A participação popular nos projetos é de fundamental importância, pois só através deste envolvimento é que podemos entender o que se passa com cada comunidade e trabalhar diretamente suas necessidades e anseios”, sublinhou Tales, na ocasião.

Durante as explicações, o integrante também reforçou a importância de se criar a cultura do laicato na sociedade e assim, reformular a temática, bem como formar uma equipe de trabalho consistente ao longo do percurso. “Antes de qualquer ação, é preciso que se tenha capacitação. Devemos pensar e estudar a metodologia e incentivar a criação dos Conselhos de Leigos nas dioceses, paróquias e comunidades para que os assuntos de interesse público, bem como os documentos, possam ser estudados, vistos e disseminados com clareza por todos. Neste contexto, também se pretende despertar as vocações, com espaço para as vocações tardias dentro da sociedade, levando em conta a realidade de cada um”, observou Tales.

 

SERVIÇO

Tanto o Documento de número 105, quanto os demais documentos da Igreja, bem como livros e materiais de estudo, estão disponíveis na Livraria Nossa Senhora de Belém, em Guarapuava, Rua XV de Novembro, 7466, Edifício Nossa Senhora de Belém, centro da cidade.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: 42 3304 3220.

 

 

 

Diopuava

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar