ouça as rádios cultura FM 93 FM
facebook instagram twitter youtube

Correios entram em greve nesta segunda-feira (12)

Serviço será interrompido em todo o país.

10/03/2018

Os trabalhadores dos Correios em todo o Brasil iniciarão uma greve, por tempo indeterminado, a partir de meia-noite desta segunda-feira (12). No Paraná, a decisão foi tomada por unanimidade em assembleias realizadas entre os dias 2 e 5, nas cidades de Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel, Foz do Iguaçu, Guarapuava e Ponta Grossa.

Segundo o sindicato dos trabalhadores da empresa pública, os funcionários alegam não suportar mais o sucateamento da empresa que visa a privatização, tendo como extremo da crise, as novas regras sobre o plano de saúde dos funcionários, cuja proposta da empresa foi acolhida pelo Tribunal Superior do Trabalho e será julgada no dia 12.

Dentre as principais mudanças no plano, estão a cobrança de mensalidade de titular e dependentes, aumento de 300% no percentual de coparticipação de consultas e exames e exclusão de pai e mãe. Tais mudanças, na avaliação dos trabalhadores, irão inviabilizar o direito à assistência médica.

Hoje, 90% dos trabalhadores dos Correios têm um salário médio de R$ 2,3 mil mensais bruto. Já os cargos de indicação política, tanto nos Correios, quanto na Postal Saúde, são acima de R$ 20 mil acrescidos de gratificações. De acordo com os trabalhadores, o Plano de Saúde é fruto de negociações coletivas de décadas e sua implantação foi como uma contrapartida aos baixos salários da categoria (o menor salário das estatais). Foi uma espécie de anestesia à luta por melhorias salariais e uma resposta às condições de trabalho degradantes.

O secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Paraná (Sintcom), Marcos Rogério Inocêncio (China), explica que “a mudança o plano de saúde é o limite do insuportável diante dos ataques que a empresa tem feito aos funcionários”. Segundo ele, os trabalhadores não aguentam mais ver a empresa sendo destruída e ainda tendo que arcam com o ódio dos clientes por problemas dos quais eles não são culpados.

Segundo o sindicalista, os recorrentes e crescentes problemas nas entregas de cartas e encomendas são propositais para manipular a opinião pública contra os Correios, reforçando o apoio a favor da privatização, já em andamento.

Fonte: Sindicato dos Trabalhadores dos Correios dol Paraná.

Comentários




acompanhe a central cultura no facebook

Basta clicar no botão Acompanhar logo abaixo.

Fechar